top of page

5 Dicas para Estruturar um Dashboard de Performance em Vendas + E-book Gratuito


5 Dicas para Estruturar um Dashboard de Performance em Vendas + E-book Gratuito

Quem já atua na área de dados ou Business Intelligence, sabe que construir um dashboard para monitoramento de indicadores e análise de dados não é uma tarefa tão simples quanto parece, muito embora existam diversos conteúdos gratuitos sobre o assunto, cada dashboard deve ter seus objetivos únicos, e um deles é responder às perguntas de negócios do cliente.


O Que é um Dashboard de Performance?


Um dashboard de performance é um painel de monitoramento de indicadores que trazem dados de conversão, vendas, cadastros, receita entre outros KPI's que traduzem a desenvoltura do negócio.


Quando seu objetivo é crescer em vendas você precisa monitorar de perto seus resultados. O dashboard de performance deve prover indicadores relevantes de maneira consistente e automatizada.

No artigo de hoje, vamos trazer insumos estratégicos, táticos e conceituais para estruturar um dashboard com foco em performance que atenda as necessidades do cliente e da equipe que está envolvido.


Faça as Perguntas Certas para ter as Respostas Chave do Projeto


Ninguém melhor do que o próprio cliente para lhe oferecer os insumos pertinentes que vão trazer relevância para o dashboard.

Contudo não espere que o cliente te dê o caminho das pedras, ele entende do negócio, mas em alguns casos não vai saber dizer quais são os reais problemas e o que ele espera como resultado final.


Nesse caso, vamos precisar incorporar o "repórter" que há dentro de nós, a fim de obter o máximo de informações necessárias para estruturação do dashboard de performance.


Abaixo citamos alguns exemplos de perguntas que podem guiar a etapa exploratória:

  • Em termos de análise de dados, qual é a sua maior dor hoje?

  • Quais são os indicadores mais relevantes do seu negócio?

  • Quais são os indicadores que hoje a empresa tem mais dificuldade de alcançar?

  • Quais são os principais canais de receita da empresa?

  • Sua empresa tem esforços em mídia e redes sociais?

  • Qual é o principal produto ou serviço da empresa?

  • Quais são os principais polos de atuação da empresa?

  • Quais os times que teriam acesso ao dashboard de performance?

Com essa primeira etapa estabelecida, é possível ter mais insumos e direcionais para iniciar a estruturação do dashboard, tanto em termos de base de dados, conteúdo e memória de cálculo, ou seja, campos calculados que permitirão análises de resultados mais direcionadas.


Inicie uma imersão através de etapas no negócio e nas bases de dados


Não é apenas em algumas horas de conversas que você terá toda a visibilidade necessária para iniciar o processo de estruturação do dashboard de performance.


Na verdade a etapa anterior é apenas a ponta do iceberg, sua fase de exploração deve seguir com um aprofundamento e imersão no negócio e por consequência nas bases de dados (estruturadas ou não).


É como se você estivesse montando um quebra-cabeça.


Claro que vai depender muito da situação, algumas empresas já tem uma estrutura bem arrojada em termos de dados, porém existem outras que nem tanto.

Nessa segunda etapa, tente entender quem são os principais stakeholders da empresa, ou áreas de negócios como marketing, trade, mídia, comercial, etc…

Quanto mais conversas, imersões, explorações você fizer, mais claro vai ficar o que deverá considerar no dashboard, portanto preveja essa etapa em seu cronograma! Certamente fará toda a diferença no resultado final.


Mineração de dados e aprofundamento técnico

Com uma boa bagagem adquirida nas etapas anteriores, agora chega o momento de se debruçar na estrutura de dados que o cliente tem e pode ser utilizada para estruturar o dashboard.


Nessa etapa seus conhecimentos técnicos como banco de dados, mineração de dados, e transformação dos dados, vão lhe proporcionar mais facilidade com a condução dessa estruturação.


Considere nessa etapa utilizar algumas ferramentas de ETL para facilitar o processo de higienização das bases de dados.

Investir tempo nessa etapa do processo é importante, mas tenha em mente que o cliente estará ansioso pela entrega, então aqui vai mais uma dica. No início do projeto, proponha que as entregas sejam progressivas e estime etapas de refinamento, ou seja ajustes finos após a coleta de feedbacks.


Com essa estratégia, você conseguirá manter entregas de qualidade dentro das expectativas alinhadas anteriormente.


Além disso, o cliente não precisa aguardar o dashboard ficar completamente pronto, ele é o time envolvido poderá consumir as primeiras informações e já começar a monitorar, realizar análises e algumas tomadas de decisão.


Procure colher feedbacks e faça seu próprio julgamento


O cliente é o maior interessado na relevância e usabilidade do dashboard de performance, contudo não depende apenas do feedback e apontamentos dele.


Sempre que possível faça você mesmo uma auto análise do dashboard se colocando no lugar de uma pessoa que não conhece os dados, e até mesmo uma pessoa que não utiliza dashboards habitualmente.

Seguindo nessa linha, procure a opinião de colegas de confiança, que estejam fora do contexto. Se eles conseguirem entender o que os dados estão mostrando, e realizarem a leitura na ordem correta dos fatos, quer dizer que seu dashboard de performance, possui relevância, storytelling e além disso possibilita melhor avaliação se o dashboard de performance é amigável para qualquer nível de usuário.


E na prática como que um Dashboard de Performance deve ser?

Relevante é a resposta mais adequada para a pergunta acima.

Como o foco do dashboard é performance, toda a jornada que falamos durante esse artigo sobre o entendimento das necessidades do cliente, que passa pelas perguntas de negócio, imersão nos indicadores, exploração e transformação das bases de dados e estruturação da visualização dos KPI’s, o dashboard de performance deve guiar o usuário para esse entendimento e análise, de como o produto ou serviço está performance, com referências para apontamentos de saudabilidade dos resultados.

É muito comum, principalmente no início, querermos levar o máximo de informações possíveis para o dashboard, muito por conta disso, é interessante separar os assuntos e visualizações sempre que possível e permitido, assim o dashboard de performance, responde à perguntas de performance, já um dashboard de monitoramento tratará resultados históricos para que seja analisado curvas e vales de resultados, já um dashboard de social media, deve trazer dados de gerais de engajamento e alcance com base nas plataformas de redes sociais e influenciadores.

“Se o seu dashboard de performance responde às perguntas de negócios através dos principais indicadores, em um visual amigável que guie o usuário através de um storytelling relevante, você certamente alcançou seu objetivo com sucesso!Antonio Bennati

Se você quer saber um pouco mais sobre a construção de um dashboard de performance, através de um passo a passo mais detalhado, ilustrativos e com dicas exclusivas, acesse o link e baixe nosso e-book, é um ótimo material de apoio e complementar ao artigo.


 

Fique por dentro de todas as novidades no mundo do Business Intelligence. Conheça nosso acervo de Indicações de livros, cursos e ferramentas -> Indicações the BI lab.


Se você está curtindo nosso conteúdo, inscreva-se no nosso Blog e conheça nosso canal no YouTube. Não perca nossos artigos semanais, repletos de insights e tendências que vão impulsionar seus conhecimentos.



imagem do autor e nome


Comments


bottom of page